sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Amor inventado

Coisa mais linda, no blog do denis (forsign)


"ah! menina

podia te inventar agora inteira. que foi de sentar ao teu lado, sentir a vida de tua viva tatuagem que se me desnorteia. ali no tapete azul, esticados entre os grãos de areia que não eram seu sorriso pequeno de olhos grandes-distintos. podia reinventar tua pele inteira. podia, entregue. podia descer numa i meia, preso pelas coxas, rodar a noite inteira, entre os braços dois e um. um só nós dois, e tres, e quatro até, que enfim... quero-te de mentira inteira, de meia e mais nada. quero te inventar a derradeira entre as tantas vindouras e mesmo entre as certeiras. quero-te bem, pelas preces do querubim. quero-te rima fácil assim, de vinha doce, corriqueira, que do roxo a uva se desfaz, num zaz. quero-te ar e pano, amarrado ao mar e aos meus parvos planos! Quem te nasceu assim? Quem te contou essa graça eterna que tinge o tecido destes teus pequenos lábios? quem? diz-me que te inventei assim, e assim morreremos ontem, que o amanhã não vem. te sonho com certeza, mas tens."


:)

3 comentários:

Denis Forigo disse...

"só o amor constrói" :)

Maíla disse...

um pedreiro apaixonado deve ser um prodígio, então... rsrsr

Wilson Guerra disse...

Imaginem o de um empreiteiro então...