terça-feira, 12 de agosto de 2008

Dialética da presença

Há quem peça a distância de um quadro para ser admirado. Nem tão longe que se faça esquecer, nem tão perto a ponto de perder o encanto.

Faz-se tão presente quanto a lembrança límpida de um dia bom: embora tenha se ido, persiste na memória.

8 comentários:

Wilson Guerra disse...

Dialética da ausência...

Maíla disse...

ausência-presença. por isso dialética.

Denis Forigo disse...

[suspiro]

O Desbunde disse...

presença da ausência

Maíla disse...

ah, como essa dialética é fértil em trocadilhos! adoro!

mas, realmente, denis... por fim:

[suspiro]

Wilson Guerra disse...

Maria-mole (ãn an an)

Wilson Guerra disse...

Tá, fui idiota. Descupiii.

Maíla disse...

¬¬